Querer fazer é poder fazer, eles disseram.

Só esqueceram de comentar que é difícil demais, né?

Oi, BigLover!

Que bom falar com você mais uma vez. Depois que comecei a escrever a newsletter semanal percebi que o tempo passa voando. Parece que foi ontem que coloquei o ponto final na última palavra do texto que estava te enviando.

É isso. O tempo cronológico voa e quando a gente se dá conta já passou muito tempo.

Em menos de 1 mês é meu aniversário, então se prepare para conteúdos reflexivos por aqui.

Essa questão me incomoda um pouco, porque sinto que os dias estão correndo e não estou dando conta de fazer o que me propus. Quem foi que falou que era só querer? Vamos repensar isso? Porque, olha, tem um tantão de coisa que eu desejo. Só que a vida real não é assim.

Só querer não é o suficiente pra lidar com a falta de motivação, as inseguranças, a rotina corrida, as tristezas que nos pegam de surpresa…Ai, só de falar desanimei! 😂

Você fica frustrado quando percebe que não está fácil se dedicar aos seus planos? Se assim como eu, você sente que a vontade de fazer alguma coisa não tem sido suficiente, tenho uma proposta: vamos olhar por outro ângulo?

Que tal observar o todo?

Querer começar um projeto, querer investir na sua ideia, querer se formar, querer começar uma nova atividade…todo “querer” é só o começo da história. Depois de descobrir o que você quer, tem que se planejar para conquistar e levantar recursos, mas tem algo MUITO mais importante: tem que se entender.

Querer não é poder, mas querer começar a fazer e querer buscar a melhor forma de fazer seu rolê acontecer é poder. Do seu jeito, no seu tempo, mas sempre fazendo.

Quando entende quais são suas motivações para fazer tal coisa e descobre seus pontos fortes e fracos, você consegue lidar com os desafios diários - que sempre vão existir, não importa o quanto você queira fazer alguma coisa. Ah, é uma forma de se comparar menos também.

Se você está tentando trabalhar em um projeto, mas está travado, vale pensar:

O que realmente importa pra você?

“O que eu realmente quero fazer primeiro?” O livro Essencialismo me trouxe essa provocação e eu juro que fiquei uns minutos pensando no assunto.

Como pode a gente falar que quer tanta coisa, mas nem saber o que realmente importa?

Ficou claro para mim que ter uma meta específica colabora com a motivação. Como o próprio autor diz: “a clareza do essencial nos alimenta com a força necessária para dizer não ao que não é essencial.”

Ai, na teoria é fácil, né? Mas é importante dizer que não é. Esqueça tudo o que te disseram e me escuta agora:

Investir nas suas ideias e nos próprios projetos não é nada fácil, mas quando você sabe o que te fez querer começar, fica menos difícil.

Mudar essa forma de visualizar as coisas vai te ajudar muito.

Veja a vida com olhos criativos. 💛


Tenho pensado muito sobre uma coisa nesta semana…

E se as aulas de literatura, sociologia e filosofia fossem mais musicais? Sem dúvidas, o engajamento dos alunos seria muito melhor. Nunca fui muito fã dessas aulas na escola, mas hoje sei que parte da responsabilidade era dos meus professores, que eram chatos em sua maioria.

Eu tive um professor de Filosofia (Alô, Carlinhos!) que usava esse recurso. Se não me falha a memória, um dia ele levou uma música do Cazuza para analisarmos e deu sua aula com base nas citações da letra. Eu achei TUDO. Pela primeira vez, olhei para o assunto com a cabeça mais aberta (e com menos vontade de ir embora. 😅Não me orgulho! )

Ai, a mágica da criatividade.

Essa foi uma forma muito criativa de ensinar. Não é porque as coisas são feitas do mesmo jeito por todo mundo que você precisa fazer igual. O objetivo final é o mesmo, mas se o seu caminho for criativo, ele será mais divertido e com ótimos resultados.

Mas, hein, que música você escolheria para dar uma aula?

Me conta lá no Instagram.


🎧 Pra embalar as ideias

A Vida Me Chamou - Forfun

“Seguindo nessa trilha íngreme e sem retorno, tentando entender o que se passa no entorno. (…) Por favor, desculpa, obrigado, eu te amo. Essa é a premissa básica do ser humano. Vivo, senso cooperativo, que entende que o sentido tá todo no coletivo”

Forfun é uma das bandas que não faltariam nas minhas aulas! 💛


Bons conteúdos são frutos de boas ideias, mas boas ideias são frutos de uma vida criativa. #ReflexõesCriativas

Já ouviu falar das cidades criativas?

Descubra aqui.

É só mais um exemplo de como a criatividade pode e deve ser aplicada em todos os lugares para transformar a nossa vida. É por isso que eu insisto que todo mundo tem que “aprender a ser criativo” - ela está e serve para tudo.

É tão bom bom ter você por aqui :) Se você tem alguma sugestão de conteúdo ou comentário fique à vontade para enviar um direct pra mim no @canalbiigbag ou responder este e-mail. 

Se você tem curtido essa news, encaminhe o link para assinatura para um amigo. É muito importante pra mim e você ainda espalha a criatividade por aí. <3

Share